Política de Cookies INFORMA D&B
    

A Informa D&B utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação no nosso website. Ao utilizar os nossos serviços está a consentir a utilização de cookies. Saiba mais

Aceitar

Novo Modelo de Avaliação do Risco de Failure

O novo Modelo de Avaliação do Risco de Failure Informa D&B acompanha as necessidades do mercado e de todos os seus clientes. Sendo este modelo mais adaptado às atuais condições e caraterísticas do tecido empresarial português, é também o mais rigoroso. Por esta razão, permite uma gestão de risco mais eficaz e, no enquadramento económico recente, melhores decisões de crédito.

A ocorrência de um evento de failure implica a existência de dívidas por regularizar, conduzindo quase sempre a uma situação de perda total do crédito comercial concedido à entidade que registou failure.

O rigor do processo de avaliação do risco de failure aplicado pela Informa D&B é garantido por dois fatores fundamentais: o recurso a um modelo analítico pautado por parâmetros de elevado poder preditivo e a atualização permanente da avaliação atribuída a cada entidade, sempre que as variáveis determinantes da mesma sofram alterações significativas.

O porquê de um novo modelo?

  • O contexto económico e empresarial em Portugal mudou – e muito – nos últimos anos
  • Novas variáveis, antes não disponíveis, passaram entretanto a ficar acessíveis
  • A influência das variáveis antes existentes sobre o failure mudou
  • A monitorização contínua da estabilidade e capacidade de discriminação do modelo anterior através da aplicação de exercícios regulares de backtesting, se por um lado confirmava uma elevada qualidade do modelo, por outro também permitiu identificar potenciais melhorias no mesmo

Universo abrangido

O modelo de previsão de failure da Informa D&B incide sobre todas as entidades ativas comerciais não financeiras, incluindo ENIs.

No entanto, algumas entidades encontram-se fora do âmbito de avaliação do modelo e, portanto, o score das mesmas não é calculado. As entidades excluídas são:

  • Entidades sem atividade;
  • Entidades atualmente em estado de liquidação;
  • Entidades constituídas há menos de 1 ano;
  • Entidades pertencentes a algumas formas jurídicas e entidades do setor financeiro.

Metodologia de desenvolvimento

O modelo analítico de base à avaliação do risco de failure foi concebido a partir de uma amostra representativa do tecido empresarial português, tendo sido ponderadas diferentes dimensões, nomeadamente a cobertura setorial, a cobertura financeira, a distribuição por dimensão de negócio e a disponibilidade de informação de pagamentos.

No processo de modelização foram empregues as técnicas estatísticas e econométricas mais avançadas, em linha com os desenvolvimentos científicos relativamente ao estudo do risco de empresas. Neste sentido, após uma pesquisa e análise exaustiva de diferentes variáveis e das combinações entre estas, foram identificadas as variáveis que, em conjunto, produziram melhores resultados.

O modelo final, estimado a partir do recurso a regressões logísticas, pontua os blocos de variáveis de seguida indicados.

  • Financeira
  • Cumprimento da obrigação de publicação de contas
  • Antiguidade da última publicação de contas
  • Solvabilidade
  • Rendibilidade do Ativo
  • Dívidas ao Estado e Outros Entes Públicos sobre Vendas
  • Vendas
  • Resultados Transitados sobre Ativo
  • Capital Próprio negativo
  • Incidentes
  • (In)existência de incidentes (ações judiciais, ações e processos de insolvência, existência de Dívidas Fiscais: IRC e Segurança social)
  • Antiguidade e valor dos incidentes
  • PER
  • Lista de processos de execução
  • Peso do valor das ações judiciais no capital próprio
  • Demográfica
  • Setor de Atividade
  • Zona Geográfica
  • Forma Jurídica
  • Antiguidade
  • N.º de empregados
  • Comportamentos de Pagamento
  • Paydex (Índice de pagamentos)

Da anterior lista, as variáveis que exercem maior influência sobre a classificação de cada entidade quanto ao seu risco são as seguintes:

  • Antiguidade e valor das ações judiciais
  • Antiguidade da atividade
  • Forma jurídica
  • N.º de empregados
  • Antiguidade do balanço
  • Solvabilidade

Para assegurar que a qualidade dos seus modelos não sofre desvios significativos ao longo do tempo, a Informa D&B aplica regularmente um processo de backtesting, para vigiar o desempenho do modelo no que respeita à estabilidade, bem como à capacidade de discriminação e de calibração.

Sistemas de classificação Informa D&B para o Risco de Failure

A elevada capacidade de discriminar corretamente as entidades avaliadas segundo o respetivo grau de risco faz com que este modelo represente uma solução altamente eficaz no que respeita à previsão da insolvência potencial de atuais ou novos clientes. Esta solução permite aos utilizadores:

  • Automatizarem as suas decisões de crédito, beneficiando de maior eficiência no processo
  • Obter um rápido processamento da avaliação de uma elevada quantidade de casos
  • Libertar recursos para a avaliação detalhada de situação relativamente indefinidas
  • Reduzir os custos globais associadas às avaliações de crédito
  • Incorporar decisões mais consistentes em toda a organização
  • Ajustar com facilidade as decisões e a política de crédito, beneficiando de uma medição objetiva do risco e da oportunidade

Indicador de Risco

A determinação deste sistema de notação obedece aos critérios de classificação definidos a nível internacional pela Dun & Bradstreet, a partir dos quais são determinadas quatro classes de rating.

De acordo com este sistema, que configura uma das grelhas de classificação do risco de crédito mais populares do mundo, as empresas classificadas com notação 1 são as que apresentam o menor risco de crédito. Por outro lado, no grupo das empresas com notação 4, encontram-se os casos de elevado risco de crédito.

A distribuição percentual das empresas pelas quatro classes de risco encontra-se representada no gráfico seguinte.

Sistemas de Notação - Rating D&B

Rating INFORMA

O Rating INFORMA, composto por 20 classes de risco, tem por base um alinhamento de critérios de classificação que permite comparar o risco de diferentes empresas dentro da Península Ibérica. Permite, igualmente, obter uma maior desagregação relativamente ao indicador de risco. Neste sistema, as situações de maior risco correspondem aos ratings de ordem inferior, i. e., o risco máximo surge no rating 1 e o risco mínimo situa-se no rating 20.

Failure Score

É um percentil score, ou seja um score percentual de risco que varia de 1 a 100, com 1 a representar o nível mais elevado de risco e 100 o mais reduzido. É utilizado para hierarquizar de forma bastante detalhada o risco de um universo de entidades com score.